Pesquisar este blog

terça-feira, 1 de março de 2011

.

É tão interessante tentar entender os sentimentos humanos.

Você está triste, mas uma chamada do telefone te faz dar um salto. Uma chamada, apenas uma, te faz sentir viva.

Apenas uma mensagem, apenas um suspirar de uma voz... Faz seu coração bater mais forte.... Faz seu sangue palpitar... Faz você pular, correr, gritar para a lua, gritar para o céu.

Mas de repente... Você caí. Está de volta ao buraco... Sem cor... Sem cheiro... Sem música... Sem vida...

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Pra trás...

E eu vou andando... Vou seguindo o caminho tortuoso que escolhi... De vez enquando algo cai... Às vezes eu volto para buscar, às vezes não.

Ultimamente deixei tanta coisa cair... E nem tive a vontade de buscar... Sinto que resolvi fazer uma curva fechada e pegar um caminho completamente diferente do que eu planejava trilhar... Isso não me causa medo. Vejo pedaços, que foram meus um dia, serem atirados ao chão, vejo pedaços de minha pele rasgar, sem sangrar. Vejo minha mente deixar, sem esquecer. Não dói, não mais... A regeneração é rápida e algo, me conforta. Você sabe o quê? E eu não quero esquecer...

A saudade me encontra às vezes... Eu agarro. Não a do que um dia foi eu, a saudade do que um dia foi meu... Meu? Será? Nós temos mesmo algo? Possuímos mesmo alguma coisa?

E eu deixo às coisas caírem, deixo as coisas no caminho... Sem esquecê-las. E aquele pensamento de que virá o melhor... Esperança. A última que morre, não é mesmo?

E pela primeira vez eu reconheço que foi errado. Existe certo arrependimento, mas tudo é experiência, não é? E se eu não tivesse sido os pedaços do chão eu não seria essa nova carne.

“Eu prefiro ser essa metamorfose ambulante”

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Vivendo, voltando, girando.

O que está dentro é como o que está fora.

O que está encima é como o que está embaixo!

-Tábua das esmeraldas, 3000ac

Tudo muda, não é mesmo

Algumas coisas não saem da linha, seguem um caminho reto, sempre em frente... Se fortalecendo ou se destruindo.

Outras coisas, ou pessoas, ou sentimentos, escolhem um caminho mais tortuoso. Cheio de curvas, bifurcações e voltas. Mas sempre em busca de um fim satisfatório.

Porém, independente do caminho tudo muda, cresce, cria, destrói... Até que tudo volta a ser pó, a ser morto, a ser nada. E nada mais muda. E não há nada que você pode fazer, há?

Você pode dizer que sim, que há uma vida após a morte, eu concordo com isso. Mas a verdade é que estamos todos condenados... E estamos todos fadados a escolher uma ou outra coisa no estado de total ignorância.

Até que você morre. E há algo que você pode fazer? Há algo que mude a vida medíocre que podemos ter escolhido? Ou os caminhos errados?

Não, pois você está morto. E agora você sabe o que era o certo. Não é?

Mas talvez você tenha uma segunda chance....

One shot, one gun shot and.... Shh.

Roleta-russa.

domingo, 30 de janeiro de 2011

Eu cuspindo fogo!

video

Sobre.Viva_RPG


Oi genteee!!
:D
Hoje eu vim só fazer propaganda de um blog que eu participo...
Sobre.Viva_RPG. Tá bem na cara pelo nome, blog sobre RPG... Sobre nossa mesa, as aventuras, lendas, mitos, livros, filmes, etc, etc, etc, etc.... Enfim... Essas coisas de nerds.... ^^


Visitem, visitem!

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Cansada...

E às vezes eu apenas estou cansada.
Cansada de fingir ser perfeita, cansada de fazer tudo por todos, cansada de ser falada, cansada de não poder explodir, cansada de mentir para mim mesma. Cansada de acusar, de me acusar. Cansada de sentir essa dormência.
Então eu tentei fechar os olhos para tudo isso... Mas ser cega não é fácil.
Eu caí, mais uma vez.
Eu não tinha percebido, todo mundo muda.
E mais uma vez eu não quis acordar...

"E eu não falo mais de jibóias, nem de florestas virgens, nem de estrelas. - O pequeno Príncipe"

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

I wish...


“Eu quero sentir o fim e curtir a consequência”

Sim, eu quero sentir. Sim, eu quero quebrar o silêncio.

Eu quero renascer, viver, morrer e renascer mais uma vez... Pois só assim eu vou aprender... E eu quero tudo novo, velho, novo.

Eu quero provar as cores, eu quero ver os sabores. Eu quero tocar o que não existe, o que é invisível.

Eu quero tocar o que não existe, eu quero sentir o que não existe, o que é real. Mais real que eu, mais real que você.

Sim, eu quero jogar o jogo. O único que vai levar ao meu fim.

Inspirado de I wish- Infected Mushroom

domingo, 23 de janeiro de 2011

Voltando para a terra de Avalon

Que eu possa relembrar, tão logo seja

O que é belo, O que é vida, O que é amor,

Que eu possa relembrar, tão logo seja.

Como é viver... Como é nascer...

O que é ser humano, O que é ser espírito.

O que é ser rocha, o que é ser fogo.

Que eu possa relembrar, tão logo seja.

Como é voar, como é crer.

E se eu tivesse mais uma chance...

Uma pequena chance, de ter minha mente de volta...

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Deixe este mundo para trás

Nós vamos beber e brindar a nós mesmos

Sob uma lua violeta

Junte os senhores e as damas

No alto da colina cresce uma flor

Dentro daquela flor

Existe uma minúscula cadeira

Toda decorada com ouro

A rainha das fadas senta-se lá

E dentre esses anos

Ela está dentro de nós

Levante seus chapéus e seus óculos também

Nós vamos dançar a noite toda do começo ao fim

Sob uma lua violeta

E então nós sentamos, de mãos dadas

E observamos os vaga-lumes

Os galhos dobraram

Como os arqueiros se curvam

E nós estamos voltando para os dias de Avalon

As estrelas nunca estiveram tão brilhantes como hoje...

No nosso Mundo Mágico...

No nosso Mundo Mágico...

Recorte de Músicas de Blackmore's Night

Ele estará fechado, mas nunca rompido...

domingo, 16 de janeiro de 2011

Sonhos de Audele

Oi gente!
Vocês já sabem que eu jogo RPG, certo?
Algum tempo atrás eu joguei um RPG por cartas. Sim, por cartas! *-*. O jogo se passava em 1920. No jogo meu nome era Milina Blackmore, eu era uma colunista inglesa. A minha coluna na revista era sobre sonhos, onde era escrito sonhos, que eu tinha que inventar, das minhas queridas leitoras...
Aqui vão algumas cartas de Audele Kreulein para a Coluna Sonhos e Mistérios da mente *-*




Viena, 22 de Julho, 1920

A Srta. Milina Blackmoore

Colunista da Revista “Essence of Womam”, “Sonhos e mistérios da mente”.

Milina, o sonho dessa noite é um dos mais estranhos. Eu não existia. Ou se existia, não era eu. Era como se eu fosse os sonhos que venho tendo. Como se eu fosse o que causa esses sonhos. Eu era má, mas não me sentia assim...

Era uma casa bonita, obras de arte enfeitavam a sala. Pinturas alegres, verdes, coloridas. A lareira estava acesa e o fogo se distraía em uma dança lenta. Um círculo pulsante, ritímico, como uma dança indígina. Apesar das pinturas alegres, a casa assumia um aspecto doentio. Sua iluminação era fraca, como em tom sépia... Porém, com cores. Isso é possível? Tudo era tão triste, eu achava tudo muito belo.

Ela parecia muito assustada, eu gostava disso. Me fortalecia. Era como se eu começasse a esxistir, a nascer. O medo dela me tornava real, me fazia rir, me fazia sentir.

Ela arremessava objetos em mim; cadeiras, vasos, pratos, facas... Tudo que estivesse ao seu alcance. Ri de satisfação. Ela não teria como me atingir, ela me amava, não podia machucar alguém que ama. E em um acesso de loucura, sangrando, trancou-se em um quarto.

Fraca, fraca...

Milina, eu não sou uma má pessoa. Por que eu gostava do desespero daquela mulher? Por que eu me fortalecia com seu medo?

Estou assustada.

Beijos...

Srta. Audele Kreulein

Viena, 27 de Julho, 1920

A Srta. Milina Blackmoore

Colunista da Revista “Essence of Womam”, “Sonhos e mistérios da mente”.

Tudo era muito psicodélico... Tudo girava... Nada fazia sentido.

O mundo estava banhado em sangue e cinzas. Soldados marchavam como bonecos. Frios, cauculistas. Dragões de prata causavam chuvas de fogo.

Um garoto, uma criança, morta, facilmente descartado, caía em um buraco. Uma fada comia uma sombrinha como quem come cogumelo.

O mundo estava perdido, o céu estava desabando, o diabo estava solto e disposto a tê-lo.

- Te darei a salvação – Ele dizia – Somente os fortes sobrevivem.

Bem, por hoje é isso. ^^
Eu disse que ia postar a história de Any Vladivostok, não foi? :X. Eu prometo que logo logo postarei... :)

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Domingo no Quintura


:)
Oi genteeee, olha eu voltando a usar como diário! Olha, Olha!!!
Ontem a banda do meu cunhado foi fazer um pequeno show no quintura... Eu nem ia, pois sou menor de idade, mas minha irmã conseguiu convencer o povo. Nas pressas para conseguir me arrumar eu acabei me engasgando com o creme dental... Poiséee, com o creme dental :x. Minha garganta começou a doer muito, muito mesmo! E eu comecei a me sentir sufocando... Tossi muito... Até que tive uma ideia "brilhante", gargarejar com aqueles remédios pra garganta! ... Mas aí eu me engasguei com ele também O.O
Minha garganta estava coçando, doendo, e dormente ao mesmo tempo... Sem contar que eu já tinha ficado rouca... Show de rock doidão e rouquidão é uma tristeza só...
Mas até aí tuuuudo beeem.... Tudo bem... Podemos ir...
Dentro do carro eu tive uma crise absurda de tosse.... E antes de poder cuspir fora do carro eu vomitei, alí mesmo! Vomitei! E MUITA BABA! EEEECAAA!
Voltei pra casa. Pensando em tomar banho, trocar de roupa, escovar os dentes....
E assim que cheguei no banheiro... Lé vem, mais uma vez... Vômito. Vômito. Vômito :S
Sério, eu nunca tinha vomitado na minha vida, não foi uma experiencia interessante...
:X. Mas no fim tudo deu certo, o show foi ótimo... =) Sick Life é muito legal \o/
E por falar em shows e bandas, vou parabenizar também a banda do meu amigo Wamberto, Os Bicicletas. \o> Dá mesmo pra dançar agarradinho.
hihihihihohoho







Bem, por hoje é só....
Mas vou logo avisando, Próximo post vocês vão conhecer a história de vida de Any Vladivostok, uma Jovem Sim Russa que vive na pequena vizinhança de Sunset Ville ;)



Any Vladivostok dormindo

sábado, 8 de janeiro de 2011

Cabelos!

Não aguentei, pintei :)
O loiro estava muito difícil de manter... Mas o que importa é que eu gostei, adoro mudanças! huhiho

E vocês queridos leitores, o que acharam do meu novo cabelo? :)